Eleições 2016: como criar e gerenciar fanpages de candidatos

  01/Abr

Já se passaram algumas campanhas eleitorais desde que a internet surgiu como excelente plataforma para os candidatos. O que muitos especialistas criticam é o fato de que, no Brasil, os recursos da internet ainda são subutilizados.  É necessário conhecer as regras da comunicação na web para colher os frutos do trabalho nas redes sociais. Hoje, vamos falar um pouco sobre o Facebook e a produção de conteúdo: a diferença entre fanpage e perfil, qual modelo é mais indicado para candidatos e como produzir um conteúdo que desperte o interesse do eleitorado.

Diferença entre perfil e fanpage

Muitas empresas e profissionais desconhecem a diferença entre as duas modalidades de conta no Facebook, o que pode se confundir ainda mais quando falamos de figuras públicas.

O perfil no Facebook é direcionado para o uso pessoal. Ele pode estabelecer uma série de interações com outros perfis, como marcar em uma foto, mandar mensagem privada (chamado de inbox) e interagir com fotos de outros membros. Porém, seu alcance é limitado. Um perfil só pode adicionar até 5.000 amigos e não pode criar anúncios.

A Fanpage foi criada pelo Facebook para que marcas e figuras públicas possam se comunicar oficial e profissionalmente com seus fãs (também chamados de curtidores ou seguidores). A fanpage não possui limite máximo de fãs, pode criar anúncios dentro do Facebook e do Instagram para públicos segmentados por interesse e possui extensões para instalação de recursos em suas abas, desde um formulário de contato até um e-commerce.  

Mas o ponto primordial na utilização da fanpage é a possibilidade de monitorar o alcance e engajamento das postagens, bem como a associação com ferramentas de monitoramento da sua campanha. Esse é o recurso mais indicado para os candidatos, que precisam estabelecer um canal de credibilidade e transparência com os eleitores, além do acesso aos dados de inteligência de marketing que a plataforma oferece.

Imagem

Conteúdo: que tipo de postagens seus fãs querem receber?

Uma fanpage não pode funcionar como o palanque do mundo real. O Facebook possui um parâmetro para medir a qualidade do conteúdo (chamado Edge Rank) baseado na quantidavde e tipos de interação que uma postagem recebe (curtidas, comentários e compartilhamento). Quanto maior a interatividade, maior será o alcance, ou seja, a viralização do conteúdo.

Na web, e por consequência, no Facebook, existe uma parcela de pessoas que defendem um candidato, partido ou ponto de vista e outra parcela formada pelos seus opositores. Dificilmente, esses usuários trocarão de lugar. Porém, outra grande parcela dos usuários ainda está em busca de informações para escolher um lado. Esse é o publico mais capacitado para mudar o resultado de uma eleição e ele está mais interessado em propostas do que frases motivacionais. Estão mais interessados em saber a trajetória de um candidato e a sua opinião sobre temas atuais. Por isso, o candidato deve informar e ouvir o público no Facebook, para aumentar a sua parcela do que chamamos de "advogados da marca".

Imagem

Alguns exemplos de como produzir conteúdo para sua fanpage:

Trajetória: mostre o que já foi feito na vida pública e se é a primeira candidatura, vale mostrar aos eleitores a história do candidato, as causas que defende e por que. Utilize depoimento de pessoas conhecidas na cidade ou em um meio específico para atestar o comprometimento com a comunidade e causas defendidas.

Propostas: Mostre o que pode ser mudado na cidade, com exemplos reais de cidadãos que passam por aquele problema e explique como o candidato pretende contorná-lo caso seja eleito.

Temas da Atualidade: O candidato pode usar a sua página para publicar a opinião sobre um tema de destaque no noticiário da semana e assim mostrar aos eleitores um pouco mais sobre seu posicionamento político, usando temas do dia a dia.

Interatividade: utilize os recursos do Facebook como eventos e grupos para engajar a população em prol de um assunto. Faça perguntas na fanpage para saber quais são as prioridades e a opinião do eleitorado. Responda as perguntas e sugestões deixadas na página como forma de estreitar o relacionamento com a população e ampliar a propagação do seu conteúdo.

Formatos diversificados: explore todos os formatos oferecidos pela rede como vídeos, gifs, imagens e texto para manter sua comunicação alinhada e semelhante aos tipos de publicação que os usuários costumam ver em suas timelines.

Objetividade: as pessoas não estão dispostas a consumir informações muito longas em sua timeline. É preciso ter cuidado com o tamanho dos textos e vídeos, de forma que eles expliquem bem uma ideia no menor tempo possível. Se necessário, divida um assunto em uma série de postagens.

Esse post apresentou uma boa noção de como começar o trabalho de uma campanha eleitoral no Facebook. Mas se ficou alguma dúvida ou se você tem sugestões de temas relacionados, deixe sua contribuição nos comentários ou conte com a expertise do Grupo Emídia para te ajudar no seu planejamento, entrando em contato pelo nosso site.